RESPEITÁVEL PÚBLICO!

VENHAM TODOS! VENHAM TODAS!

domingo, 30 de outubro de 2016

A Fala da Juventude...

Ilustração de Heitor Vilela
http://blogjunho.com.br/contra-a-escola-sem-partido/ 







“Se a Educação sozinha não transforma a sociedade,
sem ela, tampouco a sociedade muda”
(Paulo Freire)






E eis que chegamos a um tempo que não se encerra nesta chegada... Mas que são tempos cada vez mais complexos, estes o são, verdadeiramente.
A epígrafe que convidamos para este momento é de um dos maiores educadores do país e do mundo. Do país, irreconhecivelmente. Do mundo, reconhecido e enaltecido em várias línguas.
Mas, aqui nesta terra, que não é para amadores, chamada Brasil, há (e muitos) quem o considere até mesmo um criminoso da educação. Já vi e ouvi gente dizendo que “quanto ele foi Ministro da Educação, o país ficou analfabeto”...

– Hein? Opa! Como assim? Quando? Cheirou o suvaco, esse aí? (palhaços, malabaristas, equilibristas, mágicos... impressionados com o relato).
– E a pois, meus caros artistas... Coisa de maluco...

Mas, a epígrafe nos diz sobre o que nos angustia nestes tempos: para que, para quem, contra quem, contra o que a Educação se faz presente? E qual Educação estamos falando?
Os avanços dos ataques a direitos ganham uma força tamanha que nenhum setor que rege este movimento (Mídia, empresários e até nossa Justiça... ah! essa justiça seletiva) tem sequer vergonha de faze-lo...
Ataques contra a previdência estão sendo tocados por abastados políticos... aposentados:



Ataques contra os Direitos Trabalhistas, também em vento e popa... o que se soma a uma tuia de outros ataques e "desproporcionais" perdas à Classe Trabalhadora..


A bola da vez, chamada PEC 241, já mudou de nome... agora é PEC 55/2016, pois já tramita no senado. Resolveram colocar em “consulta pública”. Bom, ontem pela manhã nossos artistas foram lá votar... uma média de 1 voto a favor para 20 votos contra a PEC...
Mas como na política institucional (Congresso Nacional) só falta ao “auxílio óleo de peroba” (que, certamente, custariam milhões aos cofres públicos, pois seria distribuído também para parte do Judiciário brasileiro), a proporção acima pode até aumentar... mas a consulta corre o risco de ser mera “proforma”.
De qualquer maneira, a, agora, PEC 55 soma-se aos ataques à Classe Trabalhadora mais avassaladoramente. Não vem como “um tema pontual”.
Ganhou apelido da imprensa burguesa e dos setores interessados nela de “PEC do teto dos gastos públicos”, com um blá-blá-blá” aritmético. Claro, inúmeros temas não entram nesta aritmética.
Os gastos dos altos salários do Executivo Federal, o Legislativo e seus “auxílios-paletó” e do Judiciário, ah, o Judiciário, e seus super-salários que necessitam, inclusive, de auxilio moradia... De 4 mil reais. Aliás, quem não se lembra do JUIZ FULANO DE TAL defendendo tal estupidez? Já falamos disso, não custa repetir:



Os Movimentos Sociais, alguns Partidos à esquerda (alguns nem tanto, mas acreditam que são) e Sindicatos vem, à luz do contexto de golpe institucional e ataques do atual governo (que só acelerou a velocidade do que o governo anterior – deposto – vinha fazendo) se manifestando...
Mas, mais uma vez, a juventude é quem nos insiste em dizer: “Temos Esperança”.

As Ocupações voltaram...
A “ilha” foi ocupada!

UFPA/Castanhal OCUPADA! Reunião de Planejamento...
Escutei e vi inúmeras manifestações, de jovens estudantes inclusive, com os velhos mantras: “Ocupar não resolve nada”  e até sugerindo ocupar a Câmara Municipal...

– Hein???? Pera aí, Russo, deixa ver se entendi...
– Diz aí, Strovézio...
– Os ataques são do Governo Federal, da Câmara dos Deputados e até do STF... e a sugestão é ocupar a Câmara Municipal, não os espaços onde os ataques do Governo Federal, Câmara dos Deputados e até do STF atingem diretamente...?
– E a pois, Strovézio... algo como culpar o termômetro pela febre...

Também escutamos um mantra que sempre volta às paragens dos momentos de luta e que impregna a mente da juventude, até “bem intencionada”... Aquela frase “Seu direito termina onde e quando o meu começa”.
Frase de base filosófica liberal e que nunca se dá por completa, em que pese satisfazer aos seus verbalizadores.

– Posso tentar, Russo?
– Manda ver, Strovézio...
– O meu direito, portanto, termina quando começa o seu. E, se o seu direito começa no momento em que o meu termina, mas continuo a ter o mesmo direito, o seu direito imediatamente termina no exato momento do início do fim do meu direito começar... ou terminar de começar quando o seu começa de terminar... Se o meu e do seu direito tem início, meio e fim, têm, portanto, fim, meio e início...
– Já tá bom, Strovézio... acho que nosso público entendeu...



Mas, eis que chega e se espalha como um furacão, destruindo as vestes da elite e dos poderosos, uma jovem paranaense de 16 anos de nome Ana Júlia...
Este picadeiro de terra batida e lona furada de circo só é mais um a registrar suas palavras, que nos dois primeiros dias, ganhou o país e, quiçá, o mundo. Daqui, só admiramos...



Uma fala, um depoimento tão forte e verdadeiro, que pela primeira vez, mas pela primeira vez MESMO, vejo uma fala ser interrompida com aplausos e, como ato imediato, a jovem solta um sorriso de orgulho profundo e verdadeiro (aos seis minutos, mais ou menos)... e que lhe dá mais força ainda.
E, para um legislativo que já chamou professor de vagabundo e estudantes de baderneiros, a fala setenciadora: “as mãos de vocês está suja de sangue!”...
Irritam-se os paladinos da corrupção institucionalizada e protegida.
Indignam-se os ternos e vestes chiques de sujos políticos.
Ameaçam não deixar as palavras continuarem a serem ditas... por mais que sustentadas no Estatuto da Criança e do Adolescente, como completa a jovem.
Negar as palavras que foram ditas por Ana Júlia, já martelando na cabeça de vocês, não nega mais o fato: negar o sangue em suas mãos não é suficiente para dizer que não estão sujas. Acostumem-se com isso.
À bem da verdade, são muitos e muitas Ana’s Júlia’s espalhadas por aí... como, lamentavelmente, seus antagônicos também o são.
Mas, nos enaltecemos e mantemos viva nossa chama de luta e esperança naquilo que as Ocupações vem (e já vinham, desde 2015) nos ensinando: Não desistiremos!
As ocupações estão acontecendo por um ideal. E um ideal só o é, de fato, se o for um ideal de mundo, de relações humanas, de Direitos... de luta.
... de Felicidade... E nada como escutar palavras comprometidas com a Felicidade...

Venham Todos!
Venham Todas!


Vamos Ocupar Tudo!

4 comentários:

  1. Zodja Pereira30 outubro, 2016

    Perfeito!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Tia...
      Tia de todos os artistas de cá...

      Excluir
  2. Que massa poder alimentar nossa hoje fragilizada utopia de um Brasil soberano e pleno de cidadãos com seus direitos garantidos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ... mas muito o que fazer, muito por que e por quem lutar... Avante!

      Excluir

O Universal Circo Crítico abre seu picadeiro e agradece tê-lo/a em nosso público.
Espero que aprecie o espetáculo, livre, popular, revolucionário, brincante...! E grato fico pelo seu comentário...
Ah! Não se esqueça de assinar, ok?
Vida Longa!
Marcelo "Russo" Ferreira