RESPEITÁVEL PÚBLICO!

VENHAM TODOS! VENHAM TODAS!

sexta-feira, 20 de dezembro de 2019

Carta a um@ camarada


Em algum canto do mundo, em dias de hoje, para algum tempo da história.


Me mandaron uma carta
Por el correo temprano
Y em esa carta me dicen
Que cayó preso mi Hermano
Y sin lástima com grilos
Por la calle lo arrastraron, si...
(...)
Por suerte tengo guitarra
Para llorar mi dolor
También tengo nueve Hermanos
Fuera del que se engrilló
Los nueve son comunistas
Com el favor de mi Dios, si
(La carta – Violeta Parra)



Prezad@ camarada.
Saudações
Espero que esta carta @ encontre seguindo os caminhos caminhantes. Afinal, como diria Joan Manuel Serrat, o caminho se faz ao caminhar.
Muito bom poder escrever essa carta a ti, pois significa que este caminho caminhado foi realizado com partilha e acolhimento e sempre com a expectativa de revê-l@ em tempos adiantes.
Numa carta, falamos do dia-a-dia. Algo como “[...] aqui na terra tão jogando futebol, tem muito samba, muito choro e rock’n’roll. Uns dias chove, noutros dias bate sol. Mas o que eu quero é te dizer...” (Salve Chico e Hime).
Os tempos, por aqui, são difíceis... E uso “são”, não “estão”, porque o combate, em que pese sendo feito, ainda não conseguiram de fato mudar as estruturas de desumanização da humanidade que se instalaram em nosso país. Estão difíceis não apenas pelo “Presidente de direito” que temos (o eleito, a ignorância humana com faixa presidencial), mas principalmente pelo presidente “de fato” (vulgo “posto Ypiranga”) que vem conduzindo e ratificando todas as decisões neste país, à esteira do que veio conduzindo o capacho-do-capital que o antecedeu.
A verdade é que ele está não apenas desenhando, mas estruturando o futuro deste país e precisamos, de fato, retomar o futuro para nossas mãos.
Isso também te faz sentido?
Mas (e por este entender) continuo tomado por uma clara expressão e prática de humanidade humanizando-se e humanizando-me e, portanto, as condições, fatos e principalmente atos (a nossa prática como critério de verdade) é o que definem o nosso horizonte.
E, por mais redundante que lhe possa parecer, o horizonte necessário que vislumbro é o de humanidade.
E assim, meu/minha camarada querid@, é o que gostaria de, nesta carta, presenteá-l@. E nesta, enquanto síntese de minhas palavras e sonhos, quero estabelecer o meu mais profundo exercício humano e comunista (porque humano) que constrói e sedimenta meus caminhos como homem, professor, militante, “tocador de viola” e construtor de humanidades outras... Porque a ousadia é o que dá sentido à vida e ouso construir humanidades.
Nesta, quero mais do que plantar, semear, às vezes podar, outras tantas regar e por outras observar, e no seu conjunto consequente colher e saborear os frutos, quero, por tudo isso, ver a semente sempre forte, viva e completa.
Neste presente, quero expressar meu testemunho e coração e dizer-te que estamos do lado certo. O lado que nos fazem “bons” e não precisamos dizer o que fazemos para termos essa certeza. E justamente por não dizermos – apenas fazermos –, assim o somos.
É nesta carta, em tempos de celebrações que aglutinam tantos adjetivos, muitos contraditórios, quero simplesmente desejarmo-nos Feliz Humanidade!
Que ela nos guie, nas celebrações e nas lutas!
Que ela nos alimente, nossos corações e dos outros!
Que ela nos sensibilize, inclusive nossas intolerâncias e impaciências.
Que ela, enfim, cumpra com sua própria humanidade e nos humanize!


Abraço a tod@s que estão aí, à sua volta!
E meu abraço forte, fraterno e edificador!
Vida Longa!
Seu... Marcelo Russo

PS.: Nossos artistas deste picadeiro de terra batida e lona furada estão bem, e arrumando suas artes e artimanhas... é a saudade de ver o Universal Circo Crítico novamente atuante. O Mágico das Lutas Trabalhadoras, os Equilibristas da Paciência, a Bailarina da Alegria Arrancada do Futuro, nossos palhaços da Esperança (singularmente o Strovézio), os/as Malabaristas da Utopia, os Motociclistas da Roda da Vida e o Homem Mais Fortemente Apaixonado pela Humanidade do Mundo

sexta-feira, 25 de outubro de 2019

O Maracanã...


                          

  “Prezado amigo Afonsinho
Eu continuo aqui mesmo
Aperfeiçoando o imperfeito
Dando tempo, dando um jeito
Desprezando a perfeição
Que a perfeição é uma meta
Defendida pelo goleiro
Que joga na seleção
E eu não sou Pelé, nem nada
Se muito for eu sou um Tostão
Fazer um gol nesta partida não é fácil, meu irmão
Entrou de bola, e tudo!”
(Gilberto Gil)


            Ainda estamos voltando, o mundo tá uma bagunça. Conflitos na América Latina e alhures, ataques às mínimas singularidades de direitos da classe trabalhadora, Universidade inimiga do Estado, professores inimigos da família e um conjunto de “etc.” que mal nos é possível sistematizar. Até mesmo para um picadeiro tão singular.

            – E nós vamos falar de futebol? (Strovézio)
            – Isso, Strovézio... vamos falar de futebol.
            – Então tá, então...

Tivemos mais um grande espetáculo futebolístico esta semana, que rende matérias, jornalistas experientes comentando e incontáveis camisas do Flamengo pelas ruas de norte a sul do país (talvez até no RS). O Maracanã (que já não é o mesmo) testemunhou o que o país inteiro e, especialmente, os fãs e acompanhantes do futebol já parecem saber: o tal Flamengo está com um timaço e vai ser papão de tudo... ou quase tudo.
            Mas, não é de futebol “nas quatro linhas” que este picadeiro se inclina neste momento. É verdade que nosso picadeiro de terra batida e lona furada de circo ainda está desenferrujando, após um certo período em silêncio nas escritas e, voltar falando de futebol pode ser estranho aos não menos de 100 admiradores deste circo. O que dizer do auto-contabilizado 42 milhões de torcedores do Flamengo.
            Claro... as reflexões vão além das quatro linhas.
            Fico pensando na grandeza de um time de futebol que contrasta com a pequena da instituição que seu escudo sustenta. Assim como empresas “bem” (mal) noticiadas em tempos recentes (a exemplo da Vale), nada mais evidente do que o dinheiro à frente da vida, inclusive e partiicularmente no futebol.
            Para lembrarmos, estamos falando do incêndio no Ninho do Urubu, em fevereiro deste ano, que vitimou 10 jovens atletas, além de outros três que sobreviveram, mas com sequelas duras. Eram aquelas “pérolas valiosas” do Flamengo, que depois de peneiras e mais peneiras, olheiros país afora, um “funil” após a peneira e a “pinça” final para ter aqueles 10 atletas que, certamente, renderiam alguns milhões de sei-lá-que-moeda aos cofres do Clube...

            – É aquela história da “especulação”, né Russo? (Strovézio)
            – Sim, tipo “olha aquele jogador, veja como joga, imagine jogando em nosso time, pense outros clubes querendo aquele atleta, pense quanto pagariam...”, sacou?
            – E ao preço de custo e investimento de um alojamento em um contêiner...
            – Bingo, Strovézio! Bingo!

            E até hoje, o grande objetivo do Flamengo sobre este “acidente” (grandes instituições nunca comentem crimes), é “negociar” quanto vale a vida de cada um daqueles jovens... inclusive torcedores (como certamente suas famílias) do Flamengo. Valeriam muito como “Objetos de venda”, mas valem muito pouco como jovens, humanos que tinham sonhos de vida, como jogadores de futebol.

            Pois bom...
            Pesquisar o Flamengo na internet, essa história não se revela.



            Hoje, parece-me que a imagem mais importante ao time e à sua torcida ainda é essa, de beleza estonteante:



            Ou essa:

Noite de quarta-feira, 23 de outubro, semi-final da Libertadores


            Por que o mundo anda tão maluco? Por que parece-me que o “cada um por si e Deus contra todos” é cada vez mais intenso?
            Porque a única coisa que eu gostaria, humildemente, de testemunhar era a torcida do Flamengo lotando o Maracanã, torcendo intensa e imensamente para seu time nas quatro linhas... e de costas.
            De costas EM RESPEITO ao tamanho do Flamengo. Mas também dizendo: vidas não tem preço, muito menos ao maior clube do país (segundo seus torcedores).
            E isso seria, também, uma lição para que seus atletas, heróis que conseguiram se tornar, também lembrem-se que 10 jovens um dia sonharam em ser heróiss... e não foram...
            E seu time, do coração, negocia indenizações a famílias pobres (talvez não todas). Porque o investimento barato (contêineres) só faz sentido com indenizações baratas.
           
            Flamengo... uma vez, sempre! Como quase todas as instituições esportivas que conhecemos.

            Venham Todos!
            Venham Todas!

terça-feira, 15 de outubro de 2019

Viva 15 de outubro


Antes mesmo de crescer
Jamais imaginaria
Professor me tornaria
Pra me acabar de sofrer
Tentando fazer valer
Educação e sucesso
Levar ao Brasil progresso
Nação que tenho no peito
Meu valor e o teu respeito
É tudo o  que eu te peço

Meu Brasil, oh pátria amada
Me diga o que te falta
Para nos valorizar?
Somos nós que todo dia
Teus filhos e tuas filhas
Ajudamos a educar


Lidar com conhecimento
É tarefa árdua, dura
Mas não tem investimento
No mínimo de estrutura

A educação gratuita
E nossa escola pública
A vários riscos exposta
As escolas em pedaços
Mas a culpa do fracasso
Caindo nas nossas costas

Escute o que eu te digo
Nossa profissão é nobre
Mas a maioria é pobre
Falta de salário digno
O docente trás consigo
Frutos de vida e amor
Do saber é semeador
Que transforma realidade
Respeito e dignidade
Eu peço ao professor!

(Valorize o professor – Renato Caranã)

Celebrar 15 de outubro.

É lembrar que sou trabalhador. Amar o que faço (e não me vejo fazendo outra coisa que não seja a docência – ainda que outras coisas eu “saiba” fazer) mas não trabalho por amor. Trabalho para buscar as condições objetivas e subjetivas de satisfazer minha existência e daqueles/a que acolho (porque existir é uma condição social).
É lembrar que não construo “para o futuro”, mas construo o presente e nas condições históricas às quais este presente se fez e se faz. E não olho para o futuro com idealismo, mas com o exercício da humanidade. E a humanidade não é condição de sobrevivência apenas humana, mas de todas as formas de vida (ainda) presentes.
É lembrar que o ato de ensinar é também um ato de aprender o que, com o que e com quem se ensina. É ato de autocrítica tanto quanto de resistência, determinação, coerência e disciplina docente.
É lembrar que nunca, nunca na história da humanidade, educar foi um ato neutro. Que até no silêncio docente, a posição foi tomada. E, portanto, a neutralidade nunca será um horizonte, pois em uma sociedade globalizada em que uns manda, compram, sabem, determinam, decidem infinitamente mais do que (muitos) outros, nunca teremos como verdade no ato docente a neutralidade.
É lembrar, inclusive por isso, que também se sai da neutralidade para o outro lado em que estamos. E, assim, que também combatemos (nas palavras, mas não apenas nelas) os que estão antagonicamente postos no ato da docência. Que defendem docentemente o golpe de 1964, a educação como mercadoria, a diminuição dos conteúdos e saberes escolares, a meritocracia... que defendem a criminalização de expressões como doutrina, política, ideologia, crítica... que ainda acham que menina veste rosa e brinca de boneca (não de bola) e menino veste azul e brinca de bola (não de boneca) e que mal compreendem que a menina que joga bola se torna maior do que o futebol e o menino que brinca de boneca se torna pai.
É lembrar que o mundo de hoje não é pior também porque houve quem ensinasse e, mais ainda, fez do ensino ato de resistência, de direitos, de vida.
Sou o professor que sou, não necessariamente o melhor que meus alunos (desde meus tempos de Educação Básica) tiveram, porque vejo no ato pedagógico, docente, de educar o ato revolucionário... aquele que transforma não sua vida individual (ainda que também possa fazê-lo, aprofundando sua humanização), mas a vida coletiva, social, humanitária.
E tenho certeza... sou apenas uma pequena gota no oceano de trabalhadores e trabalhadoras da educação (e, portanto, não apenas professores e professoras) que lutam por um horizonte de humanidade.

Celebro 15 de outubro, porque Luto!
Celebro 15 de outubro, porque o futuro necessário da humanidade é de humanização.



Viva os/as professores/as!
Viva!

Venham Todos!
Venham Todas!

segunda-feira, 25 de março de 2019

À Defesa... o agradecimento em palavras universais




“[...] Digo por vezes: aquela peça azul de roupa
Meu amigo a teria colocado em lugar melhor”
(Bertold Brecht – Aos amigos)
           
O ato de agradecer...
Ato...
Agradecer, como e com o ato que, como tal, é humano...
Agradecer é gratidão...
Ato de gratidão e, portanto, agir com gratidão...
Em quatro anos de estrada, é preciso também não esquecer que não foram apenas quatro anos de estrada. Ela não começou do nada.
Mas, ainda assim, caminhar é também um ato... gratidão é um ato... e caminhar em gratidão é, portanto, um ato humano – e a natureza, muitas vezes (e até, pacientemente) “sabe”, porque também não se sabe, agradecer – que é merecedor de não ser restringido aos caminhos institucionais destes quatro anos.
O que registro aqui, porque irei faze-lo mais profundamente, é que o ato de gratidão, por ser ato humano, é um ato de, entre, com, para, e até apesar das relações humanas.
Foram e são pessoas, camaradas, amigos, familiares, tanto quanto foram aquelas pessoas invisíveis ao nosso dia-a-dia institucional que, mesmo assim, ainda sustentam a universidade pública deste país.
Foram e igualmente são as instituições, casas, universidades, faculdades, grupos de pesquisa e as casas que acolheram este pesquisador.
Foram o tempo, os lugares, os caminhos, as distâncias. E por serem (tempo, lugar, caminho, distância), continuamente serão.
O ato de agradecer será registrado. Não agora... não aqui. Porque a gratidão é um ato, de fazer(-se) humano, continuo e seguirá adiante. Como iniciou-se antes destes quatro anos.
E será um imenso ato de Gratidão.

Afinal, “[...] Os trabalhos das montanhas deixamos para trás. Diante de nós estão os trabalhos das planícies” (Bertold Brecht – Percepção)
           
            Venham Todos!
            Venham Todas!

PS.: texto construído nos Agradecimentos da Tese de Doutorado "A centralidade do lúdico na formação humana: crítica às teses de Johan Huizinga", que será defendida em 29 de março de 2019, na UFBA



quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Lá vai Hércules...




“Quanto mais conheço os homens.
Mais admiro os animais”
(Alexandre Herculano)


Aparentemente, esta frase é deste escritor português do século XIX e fico pensando se ele fosse destes nossos tempos, quão certamente isso seria dito por ele.
Acho, particularmente, que existem duas boas possibilidades de convivência humana com os demais animais, principalmente com os cães.
A primeira, seria a estupida tentativa do homem querer ensinar aos cães seus valores: o poder, a força, o egoísmo, a violência etc. Assim, compartilho da ideia de que não existem cães violentos, mas ensinamentos humanos sobre a violência.
A segunda, é quando aceitamos os ensinamentos que os cães nos dão e aprendemos a conviver coletivamente. Para os cães, a matilha. Para nós, como somos (homens e mulheres), o que aprendemos a chamar de solidariedade, comunidade e até comunismo.
Hércules foi meu tutor neste sentido.
Hércules já se chamou Hércules quando nasceu e, mesmo quando era menor do que a Janis (que se despediu da gente no início do ano) já era “maior” do que a Janis.
Se eu pudesse dizer às pessoas que não conheciam o Hércules e eu dissesse “Ele é o maior cara que eu conheço”, seria – a despeito de meu respeito à sua condição de cão – um dos caras mais sensacionais que conheci.
Em tempos de morada em Brasília, tinha também uma gatinha que morava comigo e havia um histórico de convivência que ia do “pega-pega” a bons cochilos um ao lado do outro (relação, claro, que também envolvia a Janis Joplin e a Kaia).
Kaia, Hércules, a gata no meu colo, e Janis Joplin (Brasília, 2008)

Num destes dias de cochilos (e Hércules já “deste” tamanhão, com seus 1 a 2 anos de idade), ele estava deitado tranquilamente quando a gatinha que morava com a gente resolveu se aproximar dele, lentamente.
Subiu em seu corpo, deu uma “arrumada” no dorso de Hércules, e foi se acomodando lentamente sobre ele. Hércules, apenas olhou o movimento e a acomodação, respirou profundamente e voltou a dormir.
E assim, seguimos longos 10 anos e meio de convivência.
Partiu esta noite. Uma certa sensação de tristeza da minha parte, pois ele partiu só.
Sua caminhada foi boa. Meus aprendizados, também.
Lá vai Hércules.
Viva Hércules!


sábado, 29 de abril de 2017

GREVE GERAL!...


“Que as classes dominantes tremam à ideia de uma revolução comunista!
 Nela os proletários nada têm a perder a não ser os seus grilhões.
 Têm muito a ganhar!
 Proletários de todos os países, uni-vos!”
 (Marx e Engels)




Foi ontem, 28 de abril...
O que setores de nossa sociedade incrustados no poder (de vender-se pelo poder do Capital), em executivos e legislativos vários (centralmente o Federal) chamaram de “atos isolados”, “Manifestação pífia” e “atos de vagabundos” foi, à bem da verdade, um movimento forte, grandioso e que deu recado claro ao Congresso e ao Governo (que olham apenas para o movimento que fazem entre eles e o chamam de “unidade nacional”)
A imprensa, claro, cumprindo com seu papel medíocre de fazer a propagando do governo no noticiário nacional (inclusive a propaganda da Previdência que o Governo foi proibido de fazer, por omitir informações claras que apontam que não há déficit). Afirma que a greve ocorreu nas capitais e, assim, deixa um ar de “apenas” nas Capitais.
Ela se espalhou profundamente nos interiores. Só aqui, neste picadeiro, soubemos de atos grandiosos em Castanhal (estávamos lá), Feira de Santana/BA, Caruaru/PE, Santarém/PA, Marabá/PA, Cascavel/PR, Cubatão/SP, Governador Valadares/MG...

Castanhal/PA

Onde tinha uma Universidade Pública, um Instituto Federal Público, os atos aconteceram...
Em granes Capitais, como São Paulo, foram em vários lugares...
Ontem, assistir ao JN (aff, “tem” que assistir), e a coberturazinha meia pataca, passaram em Salvador. Foram dois atos grandiosos e de longa duração e apenas disseram que “os ônibus não funcionaram”. Recife, então? Um mundarel de gente nas Ruas centrais...

Recife/PE
Isso pra não dizer da patética matéria sobre “Nós mesmos” que o JN fez, sobre a cobertura que deram ao dia de ontem. Um “Ta vendo como não escondemos os atos contra o governo?”...
E o que dizer dos comentários sobre ser ato pífio (Ministro da Justiça) e de vagabundos (um bando de idiotas de Estado e de redes sociais)?

– Ah, como eu gostaria que alguém visse me dizer isso: “És um vagabundo”.
– A gente não tem essa sorte, Strovézio...

A greve teve o transporte público parado, com alta adesão... Motoristas e Cobradores se perguntavam: “Vão me deixar dirigir um ônibus com 65, 70, 75 anos de idade? Ou vão garantir que nossos postes de trabalho, substituídos pela tecnologia, garantam nossos empregos como cobradores?”.
Escolas públicas e, também, as escolas privadas pararam... e muitas o fizeram por adesão À greve geral. Se ficaram, os professores, em casa (não gosto muito desta “ação grevista”), é preciso reconhecer que também se torna ato em favor da greve geral.
Bancos, todos sabemos... pararam. Pena que não conseguem impedir que internet e caixas eletrônicos também pudessem parar.
O Serviço Público, claro (e claro que há aqueles que são contra a greve mas não fazem nada em defesa de sua instituição... a não ser permitir que os interesses privados continuem vingando sobre ela). Dos Correios e dos Auditores da Justiça, que chegavam aos atos em Castanhal em baixo de forte e longo aplauso dos demais estudantes e trabalhadores já presentes (como foi em Castanhal).
E a CNBB... A Confederação Nacional dos Bispos do Brasil... Convocaram seus fiéis à Greve Geral. Cristãos vagabundos da gota!



Até os Sindicatos Pelegos, que fazem do governo sombra (como Força Sindical) foram...
Em alguns locais, o Comércio também parou. Em outros não... Mas, o que dizer desta manifestação, de quem não pode parar?



Pífios?
Vagabundos?
Porque cruzam os braços, em um dia de Greve Nacional, Geral... porque escolhem um dia que não será “maquiado” pelo 1º de maio – queriam greve em um feriado????? – para fazer um ato forte e presente? Porque mobilizam um ato a um Governo e um Congresso que opera o assalto tosco aos direitos mais essenciais da Classe Trabalhadora? Porque denunciam um Congresso que está levando, a toque de caixa, mais de 50 projetos que lascam com os/as trabalhadores/as e presenteiam o Capital com todo tipo de “anistia”?
Por isso e muito mais ainda nos chamam de vagabundos?

Mas, ainda faltou o essencial (e estamos em busca de notícias, matérias, artigos sobre isso): o que o Capital perdeu com as paralizações de hoje? Quanto deixaram de “acumular”?
Um exemplo:
Notícias de hoje anunciam uma possível greve de roteiristas de seriados nos EUA. E a matéria não esconde: a última greve de roteiristas no centro do imperialismo mundial, em 2007/2008 mobilizou cerca de 12 mil roteiristas e geral um impacto cofres da Indústria do Entretenimento de mais de 2 Bilhões de dólares. Se acontecer, a partir de 2 de maio, será que nosso jornalismo tupiniquim irá noticiar?

A chamada é Ridícula... deveria ser "Como afeta os grandes grupos do Cinema Americano?"


E aqui, em nossas terras? Ônibus, Metrô, Trem e Barcas parados... só isso... quanto deixou de “entulhar” nos bolsos de nossos empresários do transporte “público”?

– Russo!
– Diga lá, Strovézio...
– Já há uma forte movimentação com os trabalhadores de Cemitérios...




Pois bom...
Ao final do dia de ontem, plenamente satisfeito com o belo e forte ato que participei em Castanhal/PA (com um protagonismo da juventude de arrepiar) e testemunhando inúmeros camaradas Brasil afora registrando os atos em que estavam (inclusive os respondidos com a velha e conhecida violência policial), lembrei-me de uma canção, escrita em meus tempos pernambucanos... aliás, uma das minhas preferidas: “O Menino e o Palhaço”.

“[...]
 Ainda vou fingir minha derrota/
 Minha esperança será também mentira/
 E quando menos esperarem,/

 em seu vultuoso poder e vaidade,/
 os pegarei por trás como um fantasma,/
 e me porei a rir, a cantar e a chorar sem tristeza.
 O palhaço ri...
 O louco ri...
 Quem chorava ri...”

Como não gravamos esta saudosa canção, que cantemos "El pueblo, Unido, jamás será vencido... Pois está em tempo de cantar com mais força... mais força... mais força...



Por mais Greves Gerais!
Por mais Lutas!
Por nenhum passo atrás...

Venham Todos!
Venham Todas!