RESPEITÁVEL PÚBLICO!

VENHAM TODOS! VENHAM TODAS!

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Hipocrisia III: Liberdade de Imprensa (parte I)...


 

Artigo 7

“O Compromisso fundamental do jornalista é com a verdade dos fatos e seu trabalho se pauta pela precisa apuração dos acontecimentos e sua correta divulgação”

(Código de Ética do SJSP)

 

            Esse talvez seja o tema mais intrigante quanoo debatemos sobre a hipocrisia que toma ares de protagonista central das eleições atuais, na disputa ao governo federal. Aliás, possivelmente o tema que, em tese, menos se perderia tempo falando.
            Entendemos assim porque é recorrente as manifestações múltiplas, nas universidades, na internet, youtube, orkut, esquinas e seus bares, filas de cinema e posto de saúde, vizinhos em frente de casa: o jornalismo brasileiro mente. E é a Globo, a Record, a Band, o SBT... também falam da Rede Cultura, Rede Brasil...
            Não tem jeito, a mídia sempre manipula a favor de seus interesses. Mas, e aí vem a pergunta, né? Quais são os interesses?
            Não, nunca sabemos, no máximo, lançamos favas ao vento e falamos de interesses que flutuam sobre nossas cabeças: manter a audiência, os melhores artistas, as novelas com bam-bam-bans da TV brasileira, os melhores filmes. Ah! E tem as “exclusividades”... Eventos mega-esportivos (Copa do Mundo e Jogos Olímpicos, por exemplo, mas são muitos mais), entrevistas exclusivas...
            Não, a hipocrisia da liberdade de imprensa não se limita a isso. Isso tudo é muito pouco.
Hipocrisia III – como defender a liberdade de imprensa sem necessidade de ser responsável (parte I) (resgatando os acontecimentos na Escola Base, localizada no Bairro da Aclimação/São Paulo, em 1994).
Em uma pequena publicação na internet, no “O Globo” (ops!), em 13 de novembro de 2006, encontramos o título “Entenda o caso da Escola Base”. Nesta pequena publicação, resgata a memória dos leitores para aquele março de 1994, em que donos e funcionários de uma pequena escola de educação infantil foram acusados de abuso sexual contra as crianças ali matriculadas, com a ajuda de um casal... os donos da escola eram Ichshiro Shimada e Maria Aparecida Shimada.
Naquela oportunidade, a fúria pseudo (mais p’ra hipócrita) midiática, em busca de fotos, fatos, depoimentos, exclusividades junto aos inquéritos e uma avalanche de outras determinações de nossa imprensa brasileira construíram uma enxurrada de matérias e notícias diuturnamente. Todos os programas jornalísticos, inclusive aqueles estilo “revista eletrônica” (Fantástico, TV Mulher, etc.) rechearam – e “generosamente” – nossos lares de notícias sobre professores e funcionários de uma escola de educação infantil que abusavam das crianças, traindo a confiança dos seus pais que lá deixavam seus pequenos tesouros e seguiam para suas atividades de trabalho, domesticas e familiares.
É verdade que a polícia paulistana, em particular aquela que recebeu a denúncia, foi apurar (e vazou para a imprensa) e teve absoluta responsabilidade nessa história, pois informou a imprensa local sobre uma investigação que ainda iria ser iniciada e também deixou seguir o julgamento social feito a aquelas seis pessoas.
Daí, o que veio, nada mais evidente: Manchetes as mais sensacionalistas possíveis; câmaras de TV em frente à escola e na residência dos acusados, esperando uma imagem exclusiva; fotos nos jornais. E tudo isso somado a conversas e entrevistas com “especialistas” de toda ordem: pedagogos, psicólogos, gestores e o escambau!
Em julho de 2004, a justiça declarou os acusados de inocentes e os mesmos entraram com suas devidas reivindicações de indenização junto ao Estado de São Paulo (por conta da ação da polícia, principalmente) e uma dúzia de meios de comunicação.
Mas, o mais espantoso: os jornais leram uma “notinha”, informando a decisão da justiça... uma notinha para dizer “opa! Nos deixamos levar pela polícia paulista e pela sede de notícias e furos de reportagem”...
De Ichshiro Shimada e Maria Aparecida Shimada, uma pesquisa mais paciente irá nos dizer: um casamento destruído, dependência de antidepressivos, problemas de saúde os mais variados (e a convivência com crianças, em uma escola infantil deveria ser um ótimo remédio para a felicidade), profissionais que perderam qualquer oportunidade de trabalho, de construir família, de criar filhos... Recomeçar a vida jamais, sonhos destruídos p’ra sempre...
Foram, talvez (no telejornal que assisti, em 2004) 30 segundos, 1 minuto no máximo para noticiar que “a justiça os declarou inocentes”. Semanas de acusações, sensacionalismo jornalístico, fotos, imagens, “heróis” de toda hora e 1 minuto de “desculpas” (e, vamos combinar, nem pedido de desculpas foi).
O tipo da situação em que não se corre qualquer risco de perda de poder com quem foi acusado. Em 2004, eram pessoas destruídas que, naquele momento, passariam a outra luta inglória: receber do estado e das instituições jornalísticas (privadas) alguma indenização. E essa luta entrea em outro campo minado. Estado e Imprensa dizendo em sala fechada a essas verdadeiras vítimas: “ok, nós reconhecemos e o que oferecemos de indenização a vocês é R$ X,00” – possivelmente uma mísera conta de somar que não chega a fazer sombra ao cuspe que levaram na cara durante aquelas semanas de acusações... se não aceitarem, padeceram nas odes da nossa lenta justiça.
Disso, o Universal Circo Crítico não conseguiu muita coisa: o blog https://flaviaaleixo.wordpress.com (de 05 de abril de 2010) nos informa que a indenização ficou na ordem de R$ 1,5 milhão. Condenadas TV Globo, O Estado de São Paulo, Folha de São Paulo (aquele da propaganda da imagem do Hitler) e a Revista Isto É.

(... pensando...)

E não pesquisem na Base Lattes do CNPq os donos da Escola Base... Claro que não serão encontrados mais nesta bela arte do trabalho dos homens: a educação!
Não se pode defender uma imprensa livre, liberdade de imprensa e esses chavões todos sem “responsabilidade de imprensa”. Uma imprensa livre não pode ser nem desonesta, nem mentirosa.
E, cá p’ra nós, a bola de papel no José “Rojas” Serra, foi o que em termos de editorial e editoração jornalística????
Tem mais sobre a nossa imprensa livre e irresponsável...

Venham Todos!
Venham Todas!

Vida Longa!

Marcelo “Russo” Ferreira

PS.1: para ajudar a quem se interessar sobre o tema (não só da Escola Base) vão aí umas dicas: (i) o livro “Falsas Acusações de Abuso Sexual e a Implantação de falsas memórias) de Andreia Calçada, organizado pelo ONG Associação de Pais e Mães Separados – Editora Equilíbrio); (ii) o artigo “A Punição Antecipada” de Herbert Gonçalves Espuny – Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo; (iii) e o blog “Mais um café, por favor!” de Flávia Aleixo, em particular, o texto “Para imprensa, acusado é sempre culpado. Muito cuidado...” (o blog, em si, não gosto muito não).


8 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo, não me contive e assisti a segunda parte do video também. Que absurdo! Que lamentável absurdo! E infelizmente, como você menciona no seu texto, este não é o único caso cercado por ABSURDOS. Na quarta-feira, assistindo a TV Senado, acompanhei um pronunciamento do Senador Pedro Simom (em minha opinião um dos poucos políticos com o mínimo de vergonha na cara que ainda restam neste país) onde ele falava sobre como a imprensa brasileira é intrigante. O Senador fazia referência ao caso do ficha limpa, em que a imprensa passou semanas a fio batendo nesta tecla... Só dava ficha limpa nos noticiários, e de repente... Silêncio! O mais profundo e aterrador silêncio por parte da imprensa. Enquanto isso, praticamente 3 semanas após o primeiro turno ainda não sabemos quem realmente são os candidatos eleitos... Entendo que a decisão não é responsabilidade da imprensa, mas sim do STF... Parém acredito que a imprensa poderia neste momento exercer um papel decisivo, noticiando os fatos (fazendo jus a liberdade de imprensa e da responsabilidade de imprensa, como você mencionou). Infelizmente a imprensa brasileira em sua maioria (salvo rarissimas exceções) só noticia o que quer, e o que lhe parece mais conveniente.
    É realmente LAMENTÁvel!!!
    Abraços... Aguardando o próximo texto!

    ResponderExcluir
  3. Estive já por aqui e cá estou outra vez. Belo espaço para as letras, para a poesia, para o pensamento... para tornarmos mais claros nossos caminhos! Ao mesmo tempo em que te mobilizo para removermos este triste índice de 2 livros/ano por leitor brasileiro (na Argentina são dezoito livros/ano),
    te convido a conhecer meus romances. Em meu blog, três deles estão disponíveis inclusive para serem baixados “de grátis”, em formato PDF.
    Um grande abraço e boa leitura!

    ResponderExcluir
  4. Salve, Diego...
    Cabe lembrar, camarada, que são 6 pessoas/instituições que controlam 98% da mídia jornalísca e televisiva do país, com seus interesses mais escusos e interferindo na política nacional.
    Volto a defender o Voto em Dilma, neste segundo turno, por entender que o Serra representa a perseguição nazista aos movimentos sociais organizados e à classe trabalhadora organizada. O PT e Dilma jã não são a minha alegria e modelo de política. MAs, é igual Igreja... tem gente que é fiel às lutas que o construiu (o PT) e tem gente que é alpinista...
    MAs, p'ra mudar de vez isso tudo, só os trabalhadores organizados e o povo no poder...
    Vida Longa!

    ResponderExcluir
  5. Salve João Bosco.
    Obrigado por sua visita...
    Os artistas de nosso Circo com certeza visitarão seu espaço.
    abraços
    Há braços!

    ResponderExcluir
  6. Sabemos que imprensa vive dos circos que arma e que desarmá-los nunca dá o mesmo IBOPE.
    Por isso a sujeira que alimenta a mídia popular.
    Contudo, temos que tomar muito cuidado com a des-crença antecipada nas palavras de crianças pequenas porque abusos sexuais podem deixar consequências duras na criança e jovem para toda vida. Por toda vida ela pode vir a precisar, de tempos em tempos, de terapias. Terapias que nem sempre estas vítimas podem pagar.
    Também existe a ilusão de que apenas pessoas simples, sem escolaridade, cometem pedofilias e abusos sexuais -- que são tão danosos quanto, mas que são duros de comprovar -- sabemos hoje que estão em todas as classes sociais e a os mais ricos sabem apenas esconder melhor seus atos.
    Acho errado o que a imprensa faz, mas acho errado não acreditar na voz e nos sentimentos infantis.
    Mvbjs

    ResponderExcluir
  7. E foi essa imprensa que em 13/02/2008, na não menos reacionária revista VEJA direciona uma matéria de várias páginas sobre a educação no estado de São Paulo, em uma entrevista a então secretária Maria Helena Guimarães Castro, que em síntese, diz que a educação, em especial os educadores, vivem de baboseiras ideológicas, sendo uma destas a luta por melhores salários. Vejam no link abaixo, a repercussão dessa matéria.
    Essa é a educação do PSDB/DEM para o Brasil.
    Por isso, 13 no segundo turno
    http://www.contee.org.br/noticias/artigos/art73.asp

    ResponderExcluir
  8. Olá, Aline...
    BOm te ver por essas bandas... o nosso picadeiro e nosso público a recebem com muito carinho e alegria!
    A matéria que você deixa a todos nós é muito interessante. Espero que mais e mais pessoas possam acessá-la.
    Seja sempre bem vinda...
    Abreijos
    Vida Longa!

    ResponderExcluir

O Universal Circo Crítico abre seu picadeiro e agradece tê-lo/a em nosso público.
Espero que aprecie o espetáculo, livre, popular, revolucionário, brincante...! E grato fico pelo seu comentário...
Ah! Não se esqueça de assinar, ok?
Vida Longa!
Marcelo "Russo" Ferreira